Com esses registros, subiu para 27 o número de pessoas com Covid-19 na Casa dos Velhinhos.

Dos sete resultados positivos, quatro são funcionários e três são moradores do asilo.

Asilo em Serrana tem mais 7 casos de coronavírus; pacientes se recuperaram, diz prefeitura O asilo Casa dos Velhinhos, em Serrana (SP), confirmou mais sete casos positivos do novo coronavírus e subiu para 27 o total de pessoas com a doença na residência de longa permanência.

Entre eles, duas idosas, de 62 e de 81 anos, morreram por causa da doença em abril.

Dos sete novos registros confirmados nesta semana, quatro são funcionários e três são de moradores da casa de repouso.

Segundo a chefe da Vigilância Epidemiológica do município, Glenda Moraes disse que todos já se recuperaram.

"Os que já eram com resultado positivo, fizemos o PCR [teste que detecta o vírus] e o restante fizemos IGG e o IGM, que são testes para medir os anticorpos dos os profissionais e moradores daquela unidade.

Todos eles desenvolveram a doença assintomáticos, não tiveram nenhum sinal ou sintoma.

Hoje, sabemos que não tem casos novos, mas vamos restestar daqui 15 a 20 dias para ver em que situação se encontra o asilo", disse.

Asilo Casa dos Velhinhos, em Serrana (SP), confirmou 27 casos do novo coronavírus Alexandre Sá/EPTV Segundo a chefe do órgão, as famílias desses pacientes que testaram positivo para a Covid-19 estão sendo acompanhadas pela Secretaria Municipal da Saúde.

O fato de serem assintomáticos há o risco de terem entrado em contato com outras pessoas sem os cuidados necessários de quando se está infectado.

"Todos os profissionais estão sendo acompanhados diariamente pela instituição.

As famílias estão sendo acompanhadas diariamente para ver se estão desenvolvendo algum sintoma da doença.

Além disso, desde o início a gente tem feito a avaliação dos moradores e profissionais, pelo menos, três vezes ao dia e eles estão sendo assistido por um médico duas vezes ao dia".

Ainda de acordo com Glenda Moraes, não há mais ninguém da casa internado, mas dois profissionais continuam isolados.

Mesmo curados, ainda não desenvolveram os aconticorpos totalmente, explicou a chefe.

"Desde o início, tomamos todas as medidas de proteção, como uso de EPIs, com limpeza terminal do asilo, separação de talheres, uso de descartáveis, isolamento dentro do asilo dos que foram positivo, daqueles que não testaram positivo.

Isso continua", diz.

Initial plugin text Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca